Ari Borger Trio mistura jazz, rock e blues em novo disco

ARI BORGER TRIO MISTURA JAZZ, ROCK E BLUES EM NOVO DISCO

Em formação de trio, músicos ganham liberdade para criar arranjos em cima de clássicos do rock’n roll

Mestre em piano blues, boogie woogie e hammond B3, Ari Borger é um dos grandes nomes do blues brasileiro e um dos principais pianistas do Brasil em atividade. Em mais de 25 anos de carreira, se apresentou ao lado de lendas como Johnnie Johnson e Pinetop Perkin e abriu o show de artistas como B.B.King. Em maio, o artista lança seu sétimo álbum, Rock’n Jazz, ao lado de Marcos Klis, no contrabaixo acústico, e Humberto Zigler, na bateria e percussão, que juntos formam o Ari Borger Trio.

Os músicos, que por anos tocaram em formação de quarteto, no Ari Borger Quartet, ao lado do guitarrista Celso Salim, selecionaram canções que já estavam presentes no repertório de shows para compor o disco novo. “Quando você toca em trio, sem o guitarrista, acaba mudando o conceito musical, pois não é preciso combinar a harmonia com a guitarra, o que garante a todos uma liberdade musical muito maior”, conta Borger.

Quando o Salim foi morar fora do Brasil, Borger, Zigler e Klis viram a nova formação aparecer como um caminho natural a ser seguido, e, a partir daí, passaram a focar nessa proposta. Como o repertório dos músicos é muito grande – eles tocam juntos há dez anos –, a seleção foi como um caminho, uma perseguição, a uma ideia ousada: compor um disco com clássicos do rock’n roll tocados com roupagem autoral, jazzística, sem deixar de lado a influência do blues e do soul.

O plus do disco são as músicas próprias, influenciadas pelo som de New Orleans – onde Borger morou por um ano e gravou seu primeiro disco – e ritmos brasileiros. “Nosso som é bem  misturado. É soul, blues, jazz e rock. Tentamos pegar todos esses estilos musicais e colocar numa linguagem única, tendo como inspiração a linguagem da musica negra norte- americana”, classifica Ari.

Em Rock’n Jazz, destacam-se as releituras de Come Together (The Beatles), Miss You (The Rolling Stones), Sunshine of Your Love (Cream) e House of The Rising Sun (The Animals), que ganham novos arranjos. “Misturar o rock com jazz e blues, para mim, é muito natural. Não é uma junção difícil, porque eles conversam muito. O rock veio do blues, então há essa história que quisemos resgatar”, comenta Borger.

Além destas, o disco traz músicas de pianistas da época de ouro da Blue Note Records, célebre gravadora norte-americana de jazz, e duas faixas autorias: Samba de Roads e Crazy Dog. Ambas criações de Ari, cada uma num estilo. Enquanto Crazy Dog é uma mistura do som de New Orleans, cujo soul é bem especifico, e já havia sido tocada em apresentações anteriores, Samba de Roads é inédita. Composta há alguns anos, foi engavetada e ganhou finalização com a concretização do disco novo. “O nome vem do fato de eu ter colocado alguns elementos brasileiros de samba na segunda parte dela e pelo ‘roads’, que é um piano elétrico muito utilizado ao longo da história da música”, explica Borger.

O disco, que será lançado em todas as plataformas digitais no dia 17 de maio, terá uma apresentação de pré-lançamento no mesmo dia, às 21h, no Bar Must, dentro do Tivoli Mofarrej.
“Esse é o disco que mais apostei na minha carreira. Ele funciona muito bem ao vivo, as pessoas se identificam com ele, e quebra uma barreira da música instrumental. Queremos derrubar esse paradigma, mostrar que um show de música instrumental pode envolver e cativar o público, algumas vezes até mais que numa música que tem voz”, finaliza o músico.

Sobre Ari Borger
Em atividade desde 1985, Ari Borger é mestre em piano blues, boogie woogie e hammond B3. Foi o pioneiro em seus instrumentos e continua sendo o mais importante pianista e organista de blues em nosso país. Abriu shows para artistas como B.B.King e tocou com verdadeiras lendas do piano blues como os mestres Johnnie Johnson e Pinetop Perkins – pianistas de Chuck Berry e Mudy Waters. Morou em New Orleans, onde gravou seu primeiro disco, e se apresentou nas mais renomadas casas de shows como Tipitina’s e House of Blues. Seus discos figuraram no TOP 10 da Real Blues Magazine, uma das mais importantes publicações do gênero.

Teve a honra de ser um dos headlines por duas vezes do maior festival de piano blues e boogie woogie do mundo, o “Cincy Blues Fest”, em Cincinnatti no “Hall of Fame Boogie Woogie Stage” ao lado das maiores estrelas do gênero, feito inédito para um artista não americano.

Excursionou com seu grupo pela Europa, tocando em grandes festivais de jazz e blues. No Brasil, é requisitado nos mais importantes festivais desde 1995, além de participar de programas de televisão e rádio como Programa do Jô, Metrópolis, CBN e Band News.

Acompanhou e gravou com estrelas nacionais e internacionais, como Herbert Vianna, Rod Piazza, Jr Watson, Linwood Slim, Mud Morganfield Jr – filho de Muddy Waters, Sax Gordon, Mitch Kaschmar, Sugaray Rayford e Diunna Greenleaf, estes últimos ganhadores do Grammy Music Awards. Gravou sete discos ao longo da carreira, alternando entre o blues tradicional, boogie woogie, soul e jazz, recebendo elogios dos veículos de mídia mais respeitados do Brasil e do exterior como Caderno 2(O Estado de S.Paulo), Revista Veja, Bravo, Rolling Stone, Real Blues (EUA) e Blues Revue (maior revista de blues do mundo).

Discografia
Blues da Garantia (2000) – Ari Borger
AB4 (2007) – Ari Borger Quartet
Backyard Jam (2010) – Ari Borger Quartet
Back to The Blues (2012) – Ari Borger Quartet
Lowdown Boogie (2014) – Ari Borger & Igor Prado

Live at Cincy Blues Festival (2015) – Ari Borger
Rock’n’Jazz (2018) – Ari Borger Trio

Serviço
17/05
 Show de Pré- lançamento do disco Rock’n Jazz
Às 21h no Bar Must, no Tivoli Mofarrej
Alameda Santos, 1437
 Lançamento do disco Rock’n Jazz nas plataformas digitais

 

Posts Relacionados

“Teatro Breve de Garcia Lorca” estreia curta temporada no Rio de Janeiro

Stand up Meu Dinheiro Vale Ouro tem apresentações em Osasco

Grupo de Teatro do CAU apresenta espetáculo gratuito na Univali em Itajaí