Brasília recebe exposição do acervo da Fundação Iberê Camargo

TCU recebe recorte ficcional da obra de Iberê Camargo

A Galeria Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, em Brasília, receberá, a partir de 09 de outubro, a mostra Iberê Camargo: No Drama.

“Tudo te é Falso e Inútil”, obra de Iberê Camargo na exposição No Drama – foto: Rômmulo Fialdini

A exposição revela uma face pouco conhecida de um dos maiores artistas brasileiros do século 20: seus trabalhos inspirados na literatura, no teatro, na dança, na música e no cinema. A exposição é uma realização do Tribunal de Contas da União (TCU) em parceria com o Departamento Nacional do Serviço Social da Indústria (SESI).

Em No Drama, as peças de Iberê Camargo demonstram o dinamismo de um artista que fazia de suas sessões de pintura momentos de criação reveladores de uma alma curiosa, ruidosa, atenta e sofrida.

De 9 de outubro a primeiro de dezembro, o público poderá ver telas, guaches e estudos do artista que fazem parte do acervo da Fundação Iberê Camargo. A mostra também inclui dois curtas metragens e um documentário.

Também fazem parte da exposição uma série de desenhos, estudos de figurinos e cenários para um projeto de encenação do balé “Rudá”, de Heitor Villa-Lobos, produzidos em 1959. A exposição contará também com uma sessão interativa feita a partir de 8 painéis confeccionados em 1960, da lenda “Salamanca do Jarau”, e presenteados por ele a Luiz Aranha, amigo e mecenas do início de sua carreira artística.

Com curadoria de Eduardo Haesbaert e Gustavo Possamai, “No Drama” traz ainda uma importante série de obras da fase final da carreira de Iberê Camargo. No ano de 1992, ele participou das gravações do curta-metragem “Presságio”, de Renato Falcão. Em uma das cenas, o artista desenha um dos personagens. A filmagem deu origem a uma série de guaches que foram doados por Iberê Camargo em prol da campanha de conscientização sobre a AIDS chamada “Um ato de amor pela vida”.

Além de “Presságio”, outro curta-metragem presente na exposição é “Pintura Pintura”, do fotógrafo Mario Carneiro, que registra um depoimento de Iberê enquanto pinta um retrato.

Como parte das atividades paralelas à mostra, haverá exibição do documentário “Magma”, de Marta Biavaschi, realizado em 2014. O filme apresenta Iberê Camargo e faz reflexões sobre sua arte, vida e obra por meio de imagens e áudios de arquivo.

A realização da mostra Iberê Camargo: No Drama, em Brasília, é uma parceria firmada entre o TCU e o SESI, oferecendo à sociedade brasiliense oportunidades relevantes de acesso à cultura e ações educacionais comprometidas com a criatividade e a valorização da cidadania.

PROGRAMA EDUCATIVO

Durante o período de exposição de “Iberê Camargo: No Drama”, estudantes dos ensinos fundamental, médio e superior podem visitar a exposição por meio do programa educativo do TCU, que oferece visitas orientadas.

 

Serviço

Exposição “Iberê Camargo: No Drama”

Curadoria: Eduardo Haesbaert e Gustavo Possamai

Local: Galeria do Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, no Centro Cultural TCU (St. de Clubes Esportivos Sul, Trecho 3) – Brasília DF

Período de exibição: De 09 de outubro a 1º de dezembro

Classificação indicativa: Livre

Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 09h às 18h e aos sábados, das 14h às 19h

Informações: 3316-5381

Agendamento: 3316-5221

Entrada gratuita

TCU: Espaço Cultural Marcantonio Vilaça e Museu do TCU Ministro Guido Mondin

O Espaço Cultural Marcantonio Vilaça integra as ações culturais do Instituto Serzedello Corrêa (ISC) – Escola Superior do Tribunal de Contas da União, que contam também com o Museu do TCU Ministro Guido Mondin. Atualmente, o Museu apresenta a exposição de longa duração “TCU – A Evolução do Controle”, que narra a trajetória e a evolução do controle dos gastos públicos desde o Século XIII, em Portugal, passando pela criação do Tribunal de Contas até os dias atuais. As ações culturais do TCU buscam promover a cidadania por meio do acesso à história, à arte e a outras manifestações culturais, além da aproximação entre a sociedade e o Tribunal de Contas da União.

 O artista

Iberê Camargo nasceu em Restinga Seca – RS, em 1914. Em 1927, iniciou seu aprendizado em pintura na Escola de Artes e Ofícios de Santa Maria. Em 1936, mudou-se para Porto Alegre, onde conheceu Maria Coussirat Camargo – então estudante do Instituto de Belas Artes. Casaram-se em 1939. Em 1942, ano de sua primeira exposição, o artista e sua esposa mudaram-se para o Rio de Janeiro. Lá, viveram por 40 anos.

Admirador e amigo de artistas brasileiros como Goeldi e Guignard, Iberê Camargo viajou para a Europa em 1948 em busca de aprimoramento técnico. De volta ao Brasil, em 1950, conquistou inúmeros prêmios e participou de diversas exposições internacionais. Foi no final dos anos 1950 que desenvolveu um dos temas mais recorrentes em sua pintura: os Carretéis.

Ao longo de toda sua produção, Iberê Camargo nunca se filiou a correntes ou movimentos. Em 1982, retornou a Porto Alegre, onde produziu duas de suas séries mais conhecidas: “Os Ciclistas” e “As Idiotas”.

Iberê Camargo faleceu em agosto de 1994, aos 79 anos, deixando uma produção de mais de 7 mil obras. Grande parte desse legado foi deixada a Maria, sua esposa e companheira, cuja coleção compõe hoje o acervo da Fundação Iberê Camargo.

Sobre os curadores

Eduardo Haesbaert (Faxinal do Soturno – RS, 1968) iniciou os estudos em artes plásticas na Escola ASPES, Santana do Livramento, em 1980. Em Porto Alegre, especializou-se na gravura em metal no Atelier Livre da Prefeitura, entre os anos de 1986 e 1989. Foi assistente de Iberê Camargo, trabalhando como técnico e impressor de suas gravuras entre 1990 e 1994. Atualmente é coordenador do ateliê de gravura da Fundação Iberê Camargo, onde desenvolve o “Programa Artista Convidado”, que acontece desde a criação da Fundação, em 1995. Mais de cem artistas brasileiros e estrangeiros – entre profissionais com trajetórias consolidadas e jovens expoentes da arte contemporânea –já passaram pelo Programa.

Ao longo de sua trajetória artística, recebeu os seguintes prêmios: VI Prêmio Açorianos de Artes Plásticas – Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre – Melhor Exposição Individual 2011 (Última Cena); menção honrosa no VI Salão de Pintura da Cidade de Porto Alegre (1995); Prêmio Especial do Júri pelo Conjunto da Obra no II Salão Victor Meirelles de Florianópolis (1994); Primeiro Prêmio no 16º Salão de Artes Plásticas da Associação Chico Lisboa (1993); Prêmio Secretaria da Cultura do Paraná no 49º Salão Paranaense, e Prêmio Brasília de Artes Plásticas no 12º Salão Nacional de Artes Plásticas (1992).

Gustavo Possamai é responsável pelo Acervo da Fundação Iberê Camargo, pela parceria com o “Google Art Project” e pelo Projeto Digitalização e Disponibilização dos Acervos que, em 2015, apresentou ao público o maior volume de documentos e de obras de Iberê Camargo já reunidos.

Graduado em Artes Visuais pela UFRGS (2009) e em Comunicação Social pela PUCRS (2003), foi pesquisador no Projeto de Catalogação da obra completa do artista Iberê Camargo; cocurador das exposições “Iberê Camargo: No Drama” e “Iberê Camargo: Sombras no Sol”, realizadas pela Fundação Iberê Camargo (ambas em 2017); assistente de curadoria e pesquisa para a exposição “O Triunfo do Contemporâneo – 20 Anos do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul”, Santander Cultural, Porto Alegre (2012); assistente de editoria do livro “Heloisa Schneiders da Silva – Obra e Escritos”, Museu de Arte do Rio Grande do Sul (2010); pesquisador no projeto “Dédale, uma filme-instalação do artista francês Pierre Coulibeuf”, comissionado pela Fundação Iberê Camargo (2009), entre outros.

Sobre a Fundação Iberê Camargo

A Fundação Iberê Camargo é uma instituição privada sem fins lucrativos, criada em 1995, em Porto Alegre/RS. Há 22 anos, a Fundação desenvolve ações culturais e educativas com a missão de preservar o acervo, promover o estudo, a divulgação da obra de Iberê Camargo e estimular a interação de seu público com arte, cultura e educação, por meio de programas interdisciplinares. Seu acervo é formado por um núcleo documental, composto de documentos e imagens relacionadas à vida e à obra do artista, e um núcleo com a coleção Maria Coussirat Camargo, que inclui pinturas, gravuras, guaches, desenhos e estudos de Iberê Camargo, obras que o casal acumulou durante a vida.

A sede da instituição, inaugurada em 2008, foi projetada pelo português Álvaro Siza, um dos arquitetos contemporâneos mais importantes do mundo. O projeto recebeu o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza (2002) e é mérito especial da Trienal de Design de Milão. Referência arquitetônica na cidade de Porto Alegre, o prédio possui salas expositivas, átrio, reserva técnica, centro de documentação e pesquisa, ateliê de gravura, ateliê do educativo, auditório, loja, cafeteria, estacionamento e parque ambiental projetado pela Fundação Gaia.

Posts Relacionados

Campus Party revela importante achado arqueológico húngaro do século XI

Katz investe no desenvolvimento de Belmonte, na Bahia

Tablado promove ciclo de palestras de introdução à história do teatro ocidental com importantes nomes das artes cênicas