CEO de startup vencedora ensina quatro passos que evitam que o empreendedor feche as portas no primeiro ano de vida

4 de junho de 2019 Negócios & Empreendedorismo
CEO de startup vencedora ensina quatro passos que evitam que o empreendedor feche as portas no primeiro ano de vida

CEO de startup vencedora ensina quatro passos que evitam que o empreendedor feche as portas no primeiro ano de vida

No Brasil, o empreendedorismo está cada vez mais em alta. Porém, o que nem todo mundo sabe é que a falta de preparo para se lançar no mercado faz com que seis em cada dez empresas fechem as portas antes dos cinco primeiros anos de vida. E pior, 20% desses novos empreendedores quebram em menos de um ano. “O fato é que nem todos se preparam para enfrentar um mercado bastante competitivo”, diz Mauro Fontes, consultor de negócios e CEO da Contabilivre.

Ao analisar estes índices, Mauro Fontes destaca que esse percentual se dá principalmente pela falta de planejamento dos empreendedores em um passo fundamental para o sucesso do projeto: a pré-abertura do negócio. “Fatores como o tipo de ocupação do empresário, a experiência no ramo e a motivação para empreender, antes de abrir as portas, são determinantes para o sucesso ou fracasso de qualquer atividade empresarial”, afirma ele.

Quem está em vias de abrir um negócio precisa saber que a grande taxa de falências de empresas no Brasil está muito ligada a fatores relacionados à fase de pré-abertura da empresa e ao comportamento do próprio empreendedor.

Pensando nas dores do público empreendedor, somadas com sua habilidade como contador e administrador de empresas, Fontes desenhou um negócio onde se dedica a auxiliar os pequenos e microempreendedores a abrirem seus negócios e, depois, se manterem no mercado, graças a um sistema que pode ser operado totalmente on-line e que organiza toda a vida contábil e tributária da empresa.

Foi com essa premissa na cabeça que ele fundou a Contabilivre, uma plataforma de contabilidade on-line bastante intuitiva e amigável, que permite que todas as informações financeiras da empresa fiquem concentradas em um só lugar e acessíveis a qualquer momento do dia. “Essas facilidades ajudam muito o empreendedor que muitas vezes não tem funcionários em outras áreas, acumulando a operação do negócio com gestão financeira, RH, administrativo e contábil, para muita gente isso acaba sendo uma grande dificuldade”, conta.

Hoje, passados quase quatro anos do lançamento da Contabilivre, a empresa já é uma das referências na área de fintechs e soma 3.500 clientes. “Utilizando a nossa ferramenta, o empreendedor consegue ficar em dia com suas obrigações e economiza muito do seu tempo”, explica Fontes.

Com grande experiência em gestão administrativa e financeira, o CEO, que é administrador de empresas pela Fundação Getúlio Vargas e possui MBA pelo IBMEC, explica aqui como espantar o fantasma da falência e abrir uma empresa com segurança e confiança. Veja quais são as quatro dicas de ouro do consultor:

  • Tenha uma reserva financeira. “Esse é o principal erro dos empreendedores”, explica Mauro. Ele indica que é imprescindível ter o chamado capital de giro, para garantir o funcionamento da empresa naqueles meses iniciais, principalmente, quando ela ainda não dá lucro e é preciso pagar seus custos. E Mauro explica que há uma métrica para se calcular isso: “o valor ideal da reserva financeira é 60% do valor de arrecadação mensal pretendido, pelo menos, pelos três meses iniciais. Outro dado importante é que essa reserva não deve ser confundida com o valor do investimento para se abrir as portas. “E mais: não se deve misturar dinheiro da pessoa física com a jurídica, portanto, separe as contas”, alerta.
  • Prepare-se. Prepare-se. Prepare-se. Mauro explica que o grande erro do empreendedor é se lançar no mercado sem antes fazer uma imersão no seu nicho de atuação, estudando o seu cliente, a concorrência, detalhando os custos da empresa e fazendo um planejamento de ações. “Essa fase, de pré-abertura do negócio é vital para o sucesso e muita gente acaba sendo imprudente e não dá a devida atenção a essa fase”, explica.
  • Conheça legislação.  “Aqui o importante é conhecer as modalidades de empresa (Eireli, ME, EPP, MEI etc.) no Brasil e, então, escolher qual melhor se encaixa no formato jurídico e regime tributário de seu negócio”, recomenda o consultor.
  • Busque ajuda. Não espere o negócio naufragar. Vale a pena utilizar o suporte de consultores com experiência, que podem ajudá-lo tanto no processo de abrir a empresa, como driblar eventuais necessidades.

 


Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.