CLUBE HEBRAICA REALIZA O 21º FESTIVAL DE CINEMA JUDAICO DE SÃO PAULO

Programação conta com 24 produções entre filmes de ficção e documentários


De 30 de julho a 9 de agosto, o Clube Hebraica realiza o 21º Festival de Cinema Judaico de São Paulo, trazendo à capital paulista 24 produções premiadas e apresentadas em diversos festivais internacionais, sendo 19 delas inéditas. O clube foi o responsável por idealizar e organizar o evento desde sua primeira edição, em 1996. Além de longas-metragens de ficção, a programação inclui também documentários.

Neste ano, o festival ocorre em mais endereços paulistanos. Além da sala no próprio Clube Hebraica, também receberão filmes o CineSesc, o Museu da Imagem e do Som, o Cinemark Higienópolis, a Casa das Rosas e a Livraria Cultura. Ao todo, são três salas gratuitas. Nas demais, os ingressos variam de R$ 6,00 a R$ 40,00.

Para a edição de 2017, o festival buscou reunir filmes de temática judaica nos seus mais diversos aspectos, como esportes, música, história, feminismo, imigração, direitos humanos, entre outros temas. O filme de abertura, o alemão Bye Bye Alemanha, conta a história de David Bermann que, ao lado de seu grupo de amigos, escapou do regime nazista e sonha em partir para a América. Juntos, resolvem começar um negócio para vender roupa de cama fina aos alemães e, para sorte deles, o trabalho floresce e um futuro brilhante pode ser visualizado no horizonte. Entretanto, algumas perguntas sobre o passado ainda o fazem pensar. Por que ele tem dois passaportes? Poderia ter colaborado com os nazistas? A direção de Sam Garbarski, já conhecido pelos sucessos Irina Palm e Tango de Rashevski, chama a atenção do espectador. Bye Bye Alemanha terá uma sessão especial de abertura do evento, no dia 30, na sede da Hebraica.

Outro destaque é o longa-metragem No Mapa,que fala sobre a superação por meio do esporte. Em uma batalha considerada de “David contra Golias”, o time israelense do Macabi Tel Aviv conseguiu derrotar os campeões soviéticos, em um momento inesquecível da história do basquete mundial e para a história de Israel. Naquela final do Campeonato Europeu de Basquete em 1977, toda a nação se uniu para acompanhar e torcer pelo grande feito do time. O chamado “Milagre de Hardwood” é contado de forma emocionante pelo capitão da equipe e herói do basquete israelense Tal Brody e por outros jogadores e jornalistas da época. Brody estará presente na sessão do dia 5 de agosto, também na Hebraica.

 

Pluralidade

Para Monica Tabacnik Hutzler, diretora cultural do festival, o evento chega à 21ª com uma safra mais robusta de filmes, cumprindo, assim, o seu papel de reunir e apresentar vários aspectos da cultura judaica. “O Festival, definitivamente, entrou na programação anual da cidade de São Paulo e dos fãs da sétima arte. Para 2017, nosso objetivo é ampliar ainda mais o espaço para o debate, exibindo obras de grande qualidade e de relevância internacional”, afirma.

Também merece realce o alemão O Povo vs Fritz Bauer, vencedor dos prêmios de Melhor Filme, pelo Júri Popular Festival de Locarno 2016 e Melhor Filme pela Associação dos Críticos da Alemanha 2016. Tendo como destaque a atuação de Burghart Klaußner, como o promotor de justiça alemão que desafiou seu país para trazer um notório criminoso de guerra nazista à Justiça, a película tem como pano de fundo a Alemanha nos anos 1950. Neste contexto de pós-guerra, o procurador-geral Fritz Bauer está empenhado em responsabilizar os líderes do Terceiro Reich. Embora caluniado por inimigos que procuram silenciá-lo, Bauer prossegue com uma aliança proibida para prender o autor intelectual do Holocausto, Adolph Eichmann. Sob a direção de Lars Kraume, a obra tem nos excelentes cenários e figurinos, além da trilha sonora ancorada no jazz, os pontos altos.

Entre os filmes de não-ficção, aparece a obra produzida em parceria entre França e Itáilia, O Maestro. O documentário relata a história de um maestro determinado e sua busca por músicas compostas clandestinamente durante a II Guerra Mundial em campos de concentração. Ajudado por sua esposa e amigos, ele arquivou mais de 4.000 partituras, incluindo sinfonias, óperas, canções folclóricas, obras litúrgicas e, também, música cigana. Para debater sobre música e o contexto do tema dentro da película, a sessão de O Maestro,no dia 6 de agosto, vai contar com a presença do maestro João Carlos Martins.

A programação completa de filmes e horários está disponível no site: http://www.hebraica.org.br/festival-de-cinema-judaico/


SERVIÇO – 21º FESTIVAL DE CINEMA JUDAICO DE SÃO PAULO


Data: 
30/07/2017 a 08/08/2017

Horários: http://www.hebraica.org.br/festival-de-cinema-judaico/

Cinemas: Sala Hebraica – Rua Hungria, 1.000

Cinemark Pátio Higienópolis – Av. Higienópolis, 646

Museu da Imagem e do Som (MIS) – Av. Europa, 158

CineSesc Augusta – Rua Augusta, 2075

Casa das Rosas – Av. Paulista, 37

Livraria Cultura / Conjunto Nacional – Av. Paulista, 2073

Ingressos:

HEBRAICA

Abertura – R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia);

Individual – R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) – ingressos de sessões normais fora abertura;

Combo com 5 exibições / cada ingresso –  R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Passaporte (Só para sócios) – R$ 118,00

 

OUTRAS SALAS:

Livraria Cultura, Casa das Rosas e MIS – gratuitos

CineSesc –  R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia)

Cinemark Higienópolis – R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Mais Informações: www.hebraica.org.br

Posts Relacionados

“Teatro Breve de Garcia Lorca” estreia curta temporada no Rio de Janeiro

Stand up Meu Dinheiro Vale Ouro tem apresentações em Osasco

Grupo de Teatro do CAU apresenta espetáculo gratuito na Univali em Itajaí