Exposição gratuita retrata a cultura underground de São Paulo

Parque do Ibirapuera recebe exposição gratuita sobre cultura underground

A artista Prila Maria expõe retratos pintados em homenagem a importantes protagonistas da cena paulistana

A partir de 22 de maio, o Parque do Ibirapuera será palco da cena underground paulistana com a abertura da exposição “Observatório Retratado”, da artista Prila Maria e curadoria de Henrique Celso. Com retratos de nomes conhecidos do cenário da arte independente, a exposição presta uma homenagem àqueles que foram, direta ou indiretamente, importantes para sua formação. A exposição gratuita fica até dia 1º de junho, no saguão da Alesp.

A série contempla mais de 50 rostos entre artistas pioneiros ou protagonistas do graffiti, da música, do hip hop e do skate, que construíram a cena independente de São Paulo, muitos destes reconhecidos internacionalmente.

A artista Prila Maria se dedicou à série de retratos nos últimos 10 anos. O conjunto é resultado de muita pesquisa durante este período sobre a contracultura e os expoentes deste cenário no Brasil. Observando discursos, movimentos, os artistas e a arte em si, buscando informações junto da cena underground e com base em muita leitura, a série foi se moldando assim como a arte de Prila. As influências de seus traços têm muito dos nomes que estão na exposição. Para a produção de cada retrato, a artista utilizou-se de técnica mista de caneta posca com pincel e látex.

Exposição “Observatório Retratado” – retratos da cultura underground paulistana

Artista Prila Maria

Curador Henrique Celso

Abertura – 22 de abril, das 19h às 21h

Visitação – 23 de abril a 1º de junho

Horário – 10h às 19h

Entrada gratuita

Endereço:  Alesp, no Parque do Ibirapuera (Galeria Heróis de 32 – Avenida Pedro Alvares Cabral, nº 201)

www.instagram.com/prila.maria

Sobre a artista

Conhecida no cenário underground por sua arte, Prila Maria passou a ocupar as ruas do ABC com sua personagem, uma mulher negra, empodeirada, com uma levada que passeia entre o estilo vintage das pinups mesclada ao senso de urbanidade que a move por entre os muros.

Apaixonada tanto pelo suporte quanto pelo material que utiliza, a artista multimídia constrói também esculturas em 3D de objetos de consumo que torneiam o universo da arte urbana como latas de sprays e canetões.

Atualmente, a artista está imersa em novos projetos. Um deles, chamado de Soul do ABC, utiliza o mesmo conceito e técnica de pintura de rostos para homenagear e evidenciar os protagonistas da cultura underground da região, fortalecendo a cena da arte independente e o resgate da identidade e autoestima do público jovem do ABC.

Posts Relacionados

Ator de Game of Thrones confirma presença no Geek & Game Rio Festival

Nós do Morro faz apresentações e debates, na Penha, Madureira e Pavuna

O trabalhador brasileiro retratado pelo fotógrafo Paulo Fridman é tema de Exposição