Exposição sensorial gratuita na capital paulista apresenta obras para serem vistas e tocadas

23 de janeiro de 2019 Artes e Cultura
Exposição sensorial gratuita na capital paulista apresenta obras para serem vistas e tocadas

Universidade de São Paulo – Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária

Acessível para todos os públicos, a exposição multissensorial TOQUE é aberta na Biblioteca Brasiliana da USP

Com 255 obras táteis de autoria compartilhada, a mostra gratuita TOQUE será realizada na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP a partir de 7 de fevereiro. A curadoria e idealização do projeto é do artista visual e professor Hélio Schonmann.

TOQUE propõe uma relação que não se limita à visão. Fugindo do comum, sugere ao visitante tocar em toda a extensão dos autorretratos em relevo para criar uma relação mais íntima e lúdica com as peças. A instalação é composta por caixas de madeira vazadas empilhadas e justapostas, cada vão abriga um rosto, compondo um espaço que convida à imersão.

Em um diálogo entre arte e deficiências físicas e mentais, os trabalhos foram modelados manualmente por pessoas com e sem formação artística, videntes e pessoas sem visão, pacientes psiquiátricos, entre outros. Sucata de papel e papelão com adição de cola branca (pva) são os únicos materiais utilizados pelos autores na rede de produção que abrange dez municípios paulistas.

Refletir sobre o coletivo faz parte da proposta do curador. “Na diversidade impressa em matéria que se toca e que se vê, cada autorretrato da instalação afirma-se como expressão individual por contraste e como expressão coletiva por semelhança”, destaca Schonmann. “Nessa tensão, abrem-se campos de indagação sobre o que somos. O humano se deixa entrever, em sua grandeza e em sua precariedade”, completa.

A coautoria de TOQUE inclui pessoas atendidas pelas seguintes instituições: Centros de Convivência e Cooperativa (CECCOs),  União dos deficientes de Jundiaí e Região (UDJR), APAE Tatuí, Centro de Atenção Psicossocial II de Salto de Pirapora (CAPS), Museu de Saúde Pública Emílio Ribas, oficinas com participação de internos e pacientes atendidos pelo Hospital Franco da Rocha–Juquery. Artistas vinculados aos ateliês Conexões (Guarulhos), Grupo Olho Latino (Hortolândia) e Grupo Água Branca também participam do projeto.

Texto | Geovana Pereira (Comunicação BBM) – Foto de capa | Roberta Alberti (divulgação).

Hélio Schonmann

Artista visual e professor, frequentou, nos anos 70 e 80, o ateliê de livre criação em artes plásticas do Museu Lasar Segall, em São Paulo, onde assumiu posteriormente o cargo de orientador (1979/83). No final dos anos 90, incorporou a instalação e a gravura em seu fazer artístico, tendo recebido orientação de Evandro Carlos Jardim. Realizou mostras individuais e vem participando de mostras coletivas e trabalhos colaborativos de arte urbana no Brasil, Argentina, Alemanha, Itália, China, Cuba, México, EUA, Índia e França.

Sua obra está presente no acervo de instituições públicas e privadas, como Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu de Arte Contemporânea de Botucatu, Museu Olho Latino (Atibaia), entre outros. A partir de 2009 iniciou um trabalho de coordenação de projetos de arte pública colaborativa e curadoria dos ciclos de mostras coletivas VI(VER), duplamente premiados pelo ProAC SP. Reside e trabalha  atualmente na cidade de Louveira, SP.

Serviço

Exposição TOQUE

Abertura | 7 de fevereiro de 2019, quinta-feira, das 17h às 20h30.
Visitação | De 8 de fevereiro a 28 de março – das 8h30 às 18h30 (segunda a sexta-feira).
Onde | Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) – Sala BNDES
Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo – SP

O local possui acessibilidade para cadeirantes.
Quanto | Gratuito

Agendamento de Monitoria | educativo@bbm.usp.br


Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.