Filme “Alaska” entra em exibição a partir do dia nove de março

6 de março de 2019 Teatro, TV e Cinema
Filme “Alaska” entra em exibição a partir do dia nove de março

ALASKA PRESS BOOK

Brasil, 2019 | Ficção, 72min – Cor Foto dos personagens principais, Fernando e Ana, durante as gravações do filme Alaska.

Crédito: Panacéia Filmes

Apresentação

Bella Carrijo e Rafael Sieg dão vida aos personagens principais do filme “Alaska”, ficção que aborda o reencontro do casal Ana e Fernando. Após anos de separação, os dois resolvem embarcar juntos em uma viagem para a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, e precisam enfrentar os motivos da separação e desse reencontro.

De acordo com o diretor, Pedro Novaes, o longa pode ser considerado uma ficção que flerta com o documental. A intenção foi incorporar a Chapada à narrativa não só nas paisagens, mas por meio de personagens reais e não-atores da região.

“Alaska” entra em cartaz no dia 21 de março, com produção da Panaceia Filmes, co-produção Sertão Films, Mandra Filmes e Tá na Lata Filmes e distribuição Elo Company pelo Projeta às 7 – iniciativa da Cinemark em parceria com a Elo que oferece sessões de segunda à sexta-feira, às 19h, em 20 salas de Cinemark de 19 cidades e preços especiais de R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). .

Sinopse

Anos após se separarem, Ana e Fernando decidem visitar mais uma vez a Chapada dos Veadeiros, que foi cenário de uma intensa história de amor entre os dois. A viagem é uma segunda chance para essa paixão. Mas o tempo passou e eles talvez não sejam mais os mesmos.

Link para fotos: https://goo.gl/zC7ES4

Ficha Técnica Direção:

Pedro Novaes Roteiro: Jarleo Barbosa e Pedro Novaes

Produção Executiva: Lidiana Reis

Produtores Executivos Associados: Ricardo de Podestá e Emerson Maia

Direção de Produção: Luana Otto

Direção de Fotografia: Emerson Maia

Direção de Arte: Benedito Ferreira

Edição: Erico Rassi e Eduardo Aquino

Desenho de Som, Edição e Mixagem: Thiago Camargo

Trilha Sonora: Belém de Oliveira

Preparação de Elenco: Frederico Foroni

Elenco: Bella Carrijo, Rafael Sieg, Antonio Zayek, José Ronaldo Loth Machado e Ananias Derval da Rocha Ferreira

Produção: Panaceia Filmes Co produção: Sertão Films, Mandra Filmes e Tá na Lata Filmes

Distribuição: Elo Company

Nota do diretor

“Alaska” surgiu de vários impulsos que se juntaram: da vontade de contar uma história de amor simples, do desejo de filmar na Chapada dos Veadeiros e da busca por uma forma de narrar que tivesse algo de efetivamente goiano. O filme é também um passo natural no meu aprendizado sobre como filmar e olhar para o mundo através da câmera. Comecei no documentário e meu primeiro longa, Carta do Kuluene, é um filme que flerta com procedimentos da ficção. Agora, “Alaska” é, de certa forma, uma ficção que flerta com o documental. Desde o início, havia o desejo de que a região da Chapada, mais que um cenário, fosse quase um personagem do filme, um terceiro elemento na relação de Fernando e Ana; e também de que essa incorporação do lugar à narrativa se desse não só nas paisagens, mas por meio de personagens reais e não-atores da região. Acho que esse é um dos pontos fortes do filme. “Alaska” é um longa sobre a relação entre amor e tempo, que fala da quase impossibilidade do amor diante do fato de que mudamos o tempo todo e muito rapidamente deixamos de ser as pessoas que se atraíram uma pela outra. Que o amor dure, nesse sentido, é um milagre.

O diretor

Pedro Novaes nasceu no Rio de Janeiro e se mudou para Goiás com 8 anos de idade, onde mora e trabalha. É produtor, diretor e roteirista. Sócio da Sertão Films, Pedro dirigiu e roteirizou o longa “Cartas do Kuluene” (2011), exibido nas mostras internacionais de São Paulo e de Belo Horizonte. É também um dos roteiristas e produtores do longa “Hotel Mundial”, dirigido por Jarleo Barbosa. Na TV, foi um dos produtores da série “Xingu – A Terra Ameaçada”, em 16 episódios, exibida pela TV Cultura. É co produtor do documentário “The Grammar of Happiness” para a ABC Austrália e para o Smithsonian Channel. Pedro trabalha também como um dos roteiristas e diretor geral da série documental “Doçaria Brasileira”, para o canal CineBrasilTV, cuja segunda temporada está em pré-produção. Pedro trabalha hoje também no desenvolvimento de duas séries documentais e uma série de ficção.

Depoimentos dos atores

– Bella Carrijo, Ana

“Quando recebi o convite para interpretar a Ana, adorei a ideia de participar de um road movie. A ideia de ser um filme de atores e de direção de atores, com improviso, e a dedicação e pesquisa que esse trabalho me pedia eram muito desafiadores. Fiquei vidrada com a possibilidade. A maior diferença entre “Alaska” e outros filmes que já participei, é que neste nós conquistamos um nível de parceria imbatível entre atores, direção e equipe. Todos muito juntos para contar uma história genuína da forma mais verdadeira possível e com toda poesia que nos cabe. Como o filme trata de um casal de ex-namorados, que se encontra depois de um tempo viajando juntos, trabalhamos com a construção do que os personagens viveram e sentiram no passado. Tivemos duas semanas de trabalho integral com o Frederico Foroni, e ele trabalhou a partir de dados que tínhamos no nosso “pré-roteiro”, buscando nos atores as emoções raízes dessa relação, foi um trabalho que passou pelo corpo, não pela cabeça. Juntos descobrimos como foi a relação desse casal, entendemos sensações e sentimentos, desde o amor até a raiva, e tudo através do físico, criando uma camada de memória (obviamente fictícia) para que pudéssemos viajar e improvisar com os personagens. O Pedro Novaes foi o exemplo de direção, que considero a mais interessante. Ele sabe o que quer, mas não impõe nada, ele conquista, provoca, deixa a gente chegar junto, escuta. Eu me sentia acompanhada por ele em cena”.

– Rafael Sieg, Fernando

“Fazer filme de estrada é um convite para uma aventura. Não só para os atores, mas também para toda a equipe é uma grande jornada criadora. Todos estão fazendo a viagem e não sabemos o que a estrada nos dará. É preciso estar aberto para o improviso. Penso que é a qualidade dessa entrega o que imprime num filme de estrada. Toda a liberdade que o Pedro Novaes nos deu nesse processo, e na sua própria busca cinematográfica, são provocadores da inquietude criadora que precisa habitar em todos nós durante esse tipo de jornada. A Chapada, Alto Paraíso e a própria estrada são personagens fundamentais desse filme”.

Panaceia Filmes

A Panaceia Filmes é uma produtora audiovisual localizada em Goiás, no centro do Brasil. Desde 2010 já produziu sete curtas-metragens que percorreram todos os principais festivais do Brasil e importantes festivais do mundo. Os filmes da produtora receberam mais de 35 prêmios e já foram licenciados para TVs do Brasil e do Japão.

Em 2015 a produtora iniciou uma nova etapa em sua história com a produção de seus primeiros projetos de longa metragem. Em 2016, com a criação de seu Núcleo Criativo, a produtora estruturou e desenvolveu cinco projetos entre longas e séries. Em 2018, foi lançado seu primeiro documentário longa-metragem, Paulistas e sua primeira série de tv, Doçaria Brasileira. Em 2019, fará o lançamento comercial de seus próximos trabalhos, os longas: Hotel Mundial e Alaska.

Sertão Films

Produtora que nasceu em Goiânia há 10 anos. No documentário, a Sertão tem um longo trabalho com povos indígenas, revelando sua riqueza e diversidade; na ficção, um pendor por road movies e histórias de amor. Entre seus projetos de sucesso, estão o longa “Cartas do Kuluene” (2011), lançado na 35 a Mostra Internacional de São Paulo, que entrelaça a história de três narradores em três tempos para refletir sobre o encontro com povos indígenas brasileiros; a série documental em 16 episódios “Xingu – A Terra Ameaçada” (2007), dirigida por Washington Novaes e exibida pela TV Cultura; e “Grammar of Happiness” (2012), uma coprodução internacional para a ABC Austrália exibida na América Latina pelo Discovery. Em 2018, a Sertão lançou o longa “Hotel Mundial”, uma história de amor filmada em Buenos Aires, e em 2019, o longa “Alaska”, um road movie. Atualmente, a produtora desenvolve uma carteira de projetos que abrange séries ficcionais e documentais e um longa de ficção.

Mandra Filmes

A Mandra Filmes é uma produtora fundada em 2006 especializada em animação gráfica, som e pós-produção de vídeo. Conta no portfólio de produção com 13 curtas-metragens, duas séries de animação e dois longas documentários. Atualmente, está produzindo o longa-metragem em animação 2D “A Ilha dos Ilús” e a série televisiva em animação 3D “Ada e Rói”, previstos para serem lançados em 2019. Além do longa de ficção em coprodução com a Pira Filmes, “Atrás da Sombra”. Em 2015, co produziu com a NHK e com a The Amazon Touch um documentário sobre vida natural dos peixes amazônicos, A Grande Amazônia. Em 2016, produziu duas séries para TV: “Júlio e Verne – Os irmãos Gemiais” e “Muralzinho”. A série “Julio e Verne” está sendo transmitida pela TV Cultura, TV Brasil e NatGeo Kids.

Tá na Lata

A Tá na Lata é uma produtora e locadora de equipamentos em Goiânia. É co produtora de vários curtas premiados, como Julie, Agosto, Setembro, Atrás da História, Blaxploitation, e dos longas Lá pras Bandas do Goiás e Alaska.

Elo Company

Empresa especializada em produção e distribuição audiovisual fundada por Ruben Feffer, Flavia Feffer e Sabrina Nudeliman. No mercado há 13 anos, conta com uma estrutura completa de desenvolvimento de conteúdo, curadoria, planejamento de distribuição e vendas nacionais e internacionais. São mais de 400 títulos em seu lineup, entre eles “O Menino e o Mundo”, “S.O.S: Mulheres Ao Mar 2”, e o documentário “Espaço Além: Marina Abramovic e o Brasil”, além de títulos de importantes produtoras brasileiras, como RT Features, Paranoid e Ananã. Seu longa mais recente é “Tito e os Pássaros”, exibido em grandes festivais como o de Annecy, Toronto e Los Angeles, além de ser premiado no Anima Mundi e pré-indicado ao Oscar de 2019. Para o próximo ano, a Elo prevê lançar 30 títulos nos cinemas, com destaque para “Rio Santos”, “Cravos”, “Torre das Donzelas” e “Mussum – O Filme do Cacildis”.

A Elo Company tem entre seus principais objetivos conectar produções brasileiras com o mercado internacional e desenvolver novos modelos de negócios, como o Selo ELAS e o Projeta às 7. O Selo ELAS tem o intuito de fomentar projetos de longa-metragem com direção feminina e teve o seu primeiro lançamento em 2018, com o filme “Amores de Chumbo”. O Projeta às 7, iniciativa em parceria com a Cinemark, também começou em 2018 com o objetivo de ressaltar o cinema nacional e já lançou mais de 14 filmes dos mais diversos gêneros – do terror ao documentário esportivo.

Projeta às 7

Iniciativa da Cinemark e Elo Company que abre uma nova janela para o cinema brasileiro. Os filmes participantes são de diversos gêneros, vindos de norte a sul do Brasil, dirigidos por homens e mulheres consagrados ou iniciantes, e ganham sessões de pré-estreia de segunda a sexta-feira, às 19h, com preços especiais de R$ 12 e exibição simultânea em 20 salas de cinema em 19 cidades do Brasil: São Paulo (Shoppings Eldorado e Santa Cruz), Rio de Janeiro (Downtown), Aracaju (Shopping Jardins), Belo Horizonte (Pátio Savassi), Brasília (Pier 21), Campinas (Iguatemi), Campo Grande (Shopping Campo Grande), Cuiabá (Shopping Goiabeiras), Curitiba (Shopping Miller), Goiânia (Shopping Flamboyant), Londrina (Boulevard Londrina), Natal (Midway Mall), Porto Alegre (Barra Sul), Recife (Riomar), Ribeirão Preto (Novo Shopping), Salvador (Salvador Shopping), Santos (Praiamar), São José dos Campos (Colinas) e Vitória (Shopping Vitória).

Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.