HOMEM QUE FALA, COM ELENCO DOS DOUTORES DA ALEGRIA E DIREÇÃO DE CELSO FRATESCHI, CUMPRE TEMPORADA NO ÁGORA TEATRO, EM SP

12 de junho de 2019 Teatro, TV e Cinema
HOMEM QUE FALA, COM ELENCO DOS DOUTORES DA ALEGRIA E DIREÇÃO DE CELSO FRATESCHI, CUMPRE TEMPORADA NO ÁGORA TEATRO, EM SP

HOMEM QUE FALA, COM ELENCO DOS DOUTORES DA ALEGRIA E DIREÇÃO DE CELSO FRATESCHI, CUMPRE TEMPORADA NO ÁGORA TEATRO, EM SP

Sessões acontecem aos sábados (21h) e domingos (18h), até 11 de agosto. Ingressos custam R$ 20 (com meia-entrada)

Espetáculo adulto dos Doutores da AlegriaHOMEM QUE FALA traz pequenas histórias que compõem um caleidoscópio onde o homem ora se vê entregue e apático, ora enfrenta o que a vida lhe apresenta. Afinal, a doença e a saúde são temas permanentes para Doutores da Alegria e para todos em alguma medida, concreta ou metafórica. Com direção de Celso Frateschi, a montagem cumpre temporada até 11 de agosto no Ágora Teatro, com sessões aos sábados, 21h, e domingos18h. O elenco reúne as artistas, palhaças e formadoras Roberta Calza, Soraya  Suri Saíde Thais Ferrara.

A inspiração para a construção do espetáculo, uma criação colaborativa originalmente encenada em 2013, veio de diversos autores. O mais presente é o neurocientista e escritor Oliver Sacks, que em seu livro “O Homem Que Confundiu Sua Mulher com um Chapéu” lançou seu olhar e escuta especiais sobre a história do paciente, tratando da doença e do sintoma como saúde, com humor e poesia.

Mas também há a explícita metáfora de Bertolt Brecht com a crueldade humana em sua peça didática “Baden-Baden sobre a importância de Estar de Acordo”. E outros textos filosóficos que provocaram reflexões sobre as escolhas cotidianas.Revisitamos nosso Homem e nos demos conta que ele ainda tem o que dizer. Memória de si mesmo, ele continua atual e vivo. A provocação artística que motivou a idealização do espetáculo há seis anos, hoje mostra-se mais atual do que nunca”, comenta Celso Frateschi.

No palco, as imagens concretas e absurdas concebidas por César Chalone sugerem a fusão entre memória, pensamento e sensação – e quando combinadas às projeções de Fernando Velazquez, dão forma ao espaço e revelam outros mundos; os figurinos de Sylvia Moreira remetem à temporalidade do palhaço; e a trilha sonora de Marcelo Amalfi, a partir da lembrança de uma antiga canção árabe, confere sensibilidade ao desenrolar da trama.

Situações limite

Doutores da Alegria completam 28 anos de existência em 2019. Atuando na sociedade, quer seja no hospital ou na sala de aula, habita espaços de situações limite, onde o embate entre a saúde e a doença, muitas vezes é atravessado pela impotência, até mesmo da alegria. Trata-se de um exercício diário em descobrir a capacidade do homem para enfrentar as “terras inimagináveis” que ele atravessa. Diante de uma nova condição, busca formas de expressão que lhe permitem continuar vivo, assim como a água que sempre busca caminhos inéditos para escoar.

Homem Que Fala é, portanto, uma breve viagem para contar as histórias onde a memória, a simplicidade e o efêmero, coexistem.

SERVIÇO
HOMEM QUE FALA
NOVA TEMPORADA
Temporada até 11 de agosto de 2019.
Sessões aos sábados (21h) e domingos (18h).
Local: ÁGORA TEATRO
Rua Rui Barbosa, 664. Bela Vista – São Paulo (SP)
Duração: 60 minutos. Classificação etária: 14 anos.
Acessibilidade. Ar-Condicionado. Capacidade: 37 lugares.
Ingressos: R$ 20 (com meia-entrada)
Na bilheteria ou via ingresso rápido (a partir de 18 de maio).

FICHA TÉCNICA
Com Roberta Calza, Soraya Suri Saide e Thais Ferrara.
Direção de Celso Frateschi | Concepção Visual de César Charlone
Música composta por Marcello Amalfi | Figurinos de Sylvia Moreira
Assessoria Técnica de Fernando Velazques
Produção dos Doutores da Alegria

Livremente inspirado na obra literária
“O Homem Que Confundiu Sua Mulher Com Um Chapéu”, de Oliver Sacks.
Com excertos de
“Peça didática Baden-Baden sobre a Importância de Estar de Acordo”, de Bertolt Brecht.

DOUTORES DA ALEGRIA
Organização da sociedade civil sem fins lucrativos que utiliza a arte do palhaço para intervir junto a crianças, adolescentes e outros públicos em situação de vulnerabilidade e risco social em hospitais públicos e ambientes adversos.  Fundada por Wellington Nogueira em 1991, a associação já realizou mais de dois milhões de visitas a crianças hospitalizadas, acompanhantes e profissionais de saúde. A partir das intervenções em hospitais, Doutores da Alegria amplia canais de diálogos reflexivos com a sociedade, compartilhando o conhecimento produzido através de formação, pesquisa, publicações e manifestações artísticas, contribuindo para a promoção da cultura e da saúde e inspirando políticas públicas.

Desde 2016 a associação se reposiciona institucionalmente a partir de uma nova governança e uma nova tarefa institucional, propondo a arte como mínimo social, ou seja, como uma das necessidades básicas para o desenvolvimento digno do ser humano, assim como alimentação, saúde, moradia e educação. O trabalho é gratuito para os hospitais e mantido por doações de empresas e de pessoas.

Realização: Doutores da Alegria
São Paulo: Rua Alves Guimarães 73 / Pinheiros. 11 3061-5523

 

Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.