Homenagem ao centenário de Antonio Candido no Sesc

Homenagem ao centenário de Antonio Candido no Sesc

Familiares, amigos e ex-alunos homenageiam Antonio Candido  no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc em ciclo de palestras que acontece de 18 a 20 de julho. Laura de Mello e Souza (filha), Augusto Massi , Carlos Augusto CalilAugusto Massi , Walnice Nogueira GalvãoTelê Ancona Lopez,Adélia Bezerra de Menezes, João Cezar de Castro RochaMarcos Antonio de Moraes , Leandro Garcia, Max Gimenes, entre outros, falam sobre seu legado, sua  contribuição como crítico de cultura e da sociedade brasileiras. As mesas-redondas evidenciam o seu importante papel como professor/intelectual, a interação com personalidades e instituições, a militância socialista – temas relevantes para entender a envergadura do crítico e de sua presença em nosso tempo.
A abertura conta com uma homenagem musical a Antonio Candido, com o músico Passoca interpretando canções caipiras que retratam a obra “Os parceiros do Rio Bonito” e com palestra da filha do crítico, Laura de Mello e Souza, que fala sobre a vida do intelectual no âmbito familiar.

O ciclo compõe o projeto 3 vezes 22, em parceria com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin e a Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP.

ABERTURA

Dia 18/7

14h às 16h

Abertura musical. Os Parceiros do Rio Bonito

Convidado: Passoca

 Mesa 1 – Antonio Candido em família

O intelectual no âmbito familiar, relação com as filhas, familiares e amigos. A mesa propõe lançar um olhar sobre Antonio Candido paralelamente à da figura pública. A memória dos familiares chama a atenção para as partilhas do afeto e da convicção.

Convidada: Laura de Mello e Souza

16h30 – 18h30

Mesa 2 – Gilda de Mello e Souza e Antonio Candido

A parceria iniciada na colaboração para a revista Clima e que se estendeu por mais de 60 anos. Os depoimentos de amigos e ex-alunos de Gilda e Antonio Candido elucidam os diálogos e os vínculos constituídos pelo casal na vida e na academia.

Convidados:  Augusto Massi  e Carlos Augusto Calil.

Dia 19/7

14h às 16h

Mesa 4 – Afeto e convicção: retratos de Antonio Candido

A mesa tenciona apresentar um retrato em movimento de Antonio Candido, sua visão de mundo, sua formação e o compromisso com a formação do cidadão. A presença indelével de suas convicções, que ainda permanecem naqueles que conviveram com ele.

Convidadas: Walnice Nogueira Galvão e Telê Ancona Lopez

16h30 – 18h30

Mesa 5 – Itinerário crítico

A mesa convida pesquisadores para discutir o itinerário crítico da obra de Antonio Candido, de sua atuação na revista Clima às suas principais publicações nas áreas de sociologia e literatura.

Convidados:  Maria Augusta Fonseca , Rodrigo Martins Ramassote  e Luiz Carlos Jackson

18h45 – 20h45

Mesa 6 – Antonio Candido, Na sala de aula

“Não se cruza com alguém assim impunemente”, afirma Adélia Bezerra de Menezes sobre a sua experiência como aluna de Antonio Candido. A figura do professor entra em debate nesta mesa, nos testemunhos de seus ex-alunos.

Convidada: Adélia Bezerra de Menezes

Dia 20/7

14h – 16h

Mesa 7 – Antonio Candido, América Latina

Esta mesa se propõe a refletir sobre a potência dos diálogos de Antonio Candido com intelectuais da América Latina, bem como a difusão e repercussão de seu pensamento crítico.

Convidado:  João Cezar de Castro Rocha

16h30 – 18h30

Mesa 8 – Diálogos, correspondência

A correspondência de um intelectual fornece importantes elementos biográficos e históricos; as cartas testemunham a configuração de redes de sociabilidade, formas de difusão do pensamento dos interlocutores e gestos de intervenção cultural. Esta mesa-redonda devota-se a observar os diálogos epistolares de Antonio Candido, com escritor Mário de Andrade, com o crítico Alceu Amoroso Lima e com o sociólogo Florestan Fernandes.

Convidados: Marcos Antonio de Moraes , Leandro Garcia e Max Gimenes

18h45 – 20h45

Mesa 9 – A refleção política de Antonio Candido

A mesa coloca em pauta os ideais e a atuação política de Antonio Candido.

Convidado: Paulo Vannuchi

Encerramento: Homenagem musical.

Convidado: Passoca

 

Homenagem ao centenário de Antonio Candido  (1918-2017)

De 18 a 20 de julho de 2017, quarta a sexta, das 14h às 21h.
Grátis, mediante inscrição.

Recomendação etária: 16 anos. Número de vagas: 50

Grátis – mediante inscrição.

Informações e inscrições pelo site (sescsp.org.br/cpf) ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo. Serviço de van até a estação de metrô Trianon-Masp, de segunda a sexta, às 21h30, 21h45 e 22h05, para participantes das atividades.

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 22h. Sábados, das 9h30 18h30.

Tel: 3254-5600

Palestrantes

Laura de Mello e Souza, Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (1986) e Livre-Docência em História Moderna pela Universidade de São Paulo (1993). Foi docente do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo desde 1983, encontrando-se aposentada desde agosto de 2014. Desde setembro de 2014, ocupa a cátedra de História do Brasil na Universidade de Paris IV – Sorbonne. É membro da Academia Brasileira de Ciências. É filha de Antonio Candido e Gilda Mello e Souza.

Carlos Augusto Calil, Professor do Departamento de Cinema, Televisão e Rádio da ECA/USP. Foi dirigente de órgãos públicos (Embrafilme, Cinemateca Brasileira, Centro Cultural São Paulo) e Secretário Municipal de Cultura de São Paulo (2005-2012).

Augusto Massi, é professor de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo desde 1990.Como poeta, publicou Negativo (SP: Companhia das Letras, 1991), Vida errada (RJ: 7 Letras, 2001) e Gabinete de curiosidades (em parceria com Lu Menezes. SP: Luna Parque, 2016). Como crítico, organizou e prefaciou Retratos Parisienses (RJ: José Olympio, 2013), de Rubem Braga; Poesia traduzida, de Carlos Drummond de Andrade (em parceria com Júlio Guimaraes Castañon. SP: Cosac Naify, 2011), Poesia completa de Raul Bopp (RJ: José Olympio, 2014). Também escreveu o posfácio da Poesia reunida, de Adélia Prado (RJ: Record, 2015) e um ensaio para Aniki Bóbó, de João Cabral (RJ: Verso Brasil, 2016). Participou da organização de A ideia e o figurado, último livro de crítica de Gilda de Mello e Souza (SP: Editora 34/ Duas Cidades, 2005).

 Walnice Nogueira Galvão, Professora emérita da FFLCH-USP.

Telê Ancona Lopez, Professora titular do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB-USP), ministra disciplinas e orienta projetos acadêmicos, como colaboradora-sênior, nessa instituição e na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da mesma universidade (FFLCH-USP). Estuda especialmente o modernismo brasileiro, as vanguardas europeias, os gêneros de fronteira, a crítica textual e a crítica genética, tendo publicado livros e artigos nessas áreas. Foi curadora do Arquivo Mário de Andrade. Entre 2006 e 2010, coordenou o projeto temático FAPESP que organizou os manuscritos e estudou o processo de criação do escritor. Entre 2007 e 2015, responsabilizou-se pelas edições fidedignas, acrescidas de documentos, das obras de Mário de Andrade incluídas no protocolo IEB-USP e Editora Nova Fronteira-Agir. Dedica-se atualmente ao projeto ligado ao CNPq, Traje de arlequim: uma biografia/“autobiografia” de Mário de Andrade. É Professora Emérita do IEB-USP.

Maria Augusta Fonseca, Doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo. É professor livre-docente em Teoria Literária pela Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária e Literatura Comparada, com interesse centrado no modernismo brasileiro e em seus diálogos com a vanguarda européia do século XX.

Rodrigo Martins Ramassote, Doutor em Antropologia Social pela Universidade de Campinas (2013). Atualmente, realiza Pós-doutorado no Departamento de Antropologia Social da Universidade de São Paulo (USP) onde está vinculado ao Coletivo Artes, Saberes e Antropologia (ASA). Desde 2006, exerce o cargo de Técnico em Ciências Sociais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). É editor-assistente da Série Patrimônio Cultural e Extensão Universitária.

Luiz Carlos Jackson Livre-Docente em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é professor associado do Departamento de Sociologia da USP.

Adélia Bezerra de Meneses, fez Mestrado e Doutorado , orientada pelo Professor Antonio Candido.  Lecionou  Teoria Literária e Literatura Comparada na  USP e na UNICAMP (onde se aposentou) e também,  Literatura Brasileira na Technische Universität de Berlim. No presente atua como Professora Colaboradora Voluntária junto à Pós-Graduação do DTLLC da  USP. É Pesquisadora do CNPq.

João Cezar de Castro Rocha, Doutor em Letras pela UERJ e em Literatura Comparada pela Stanford University (EUA); e Pós-Doutor em Letras pela Freie Universität Berlin (Alemanha) e pela Princeton University (EUA). Professor Titular de Literatura Comparada da UERJ, foi presidente da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC- 2016-2017). Autor de 11 livros e organizador de mais de 20 títulos.

Marcos Antônio de Moraes, Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Atualmente é pesquisador e docente do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Historiografia Literária Brasileira, desenvolvendo pesquisas nos seguintes campos: epistolografia brasileira, memorialismo brasileiro, modernismo brasileiro, obra de Mário de Andrade, crítica genética e textual. Membro da Equipe Mário de Andrade, no Instituto de Estudos Brasileiros.

Max Gimenes , bacharel e licenciado em ciências sociais e mestre em sociologia pela FFLCH-USP. Atua como editor e como pesquisador nas áreas de sociologia da cultura e dos intelectuais e de pensamento político brasileiro, desenvolvendo atualmente investigações sobre a vida e a obra de Antonio Candido. Faz parte do Grupo Interdisciplinar de Teoria Crítica (Grite) da FFLCH-USP.

Leandro Garcia, pós-doutor e doutor em Estudos Literários pela PUC-Rio, pós-doutor em Teologia pela Faculdade de Filosofia e Teologia de Belo Horizonte, professor de Teoria Literária e Literatura Comparada da UFMG, diretor do Acervo dos Escritores Mineiros da UFMG. É especialista na obra de Alceu Amoroso Lima, especialmente a sua epistolografia.

Paulo Vannuchi é graduado em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, onde estudou de 1977 a 1980, com mestrado em ciência política também pela USP. Ocupou o cargo de Ministro de Estado Chefe da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, de 21 de dezembro de 2005 a 31 de dezembro de 2010, tendo sido Presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo e do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura no Brasil. Foi co-fundador do Instituto Cajamar e assessor político da direção nacional do Partido dos Trabalhadores do Brasil. Foi também secretário executivo da coordenação nacional da campanha Lula Presidente, em 1994 e 2002. Ocupou vários cargos, inclusive o de Presidente, no Instituto Cidadania, atual Instituto Lula. Ocupou o cargo de Ministro de Estado Chefe da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, de 21 de dezembro de 2005 a 31 de dezembro de 2010, tendo sido Presidente do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo e do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura no Brasil.

Passoca,  cantor e compositor. Lançou o primeiro disco, um compacto, em 1978. Desde então, lançou mais seis discos e participou de alguns outros, como os do projeto “Violeiros do Brasil”.

 

Posts Relacionados

Últimos dias para docentes se inscreverem no Prêmio Professor Murillo Marques

Catarinense Renato Machado busca apoio para projeto fotográfico

Em Iguape (SP), Paço Municipal e Sobrado dos Toledos começam a ser restaurados