Jorge da Cunha Lima lança livro de poesias em 15 de agosto após 40 anos sem publicar nenhuma obra no gênero

Após quatro décadas sem inéditos de poesia, o escritor reencontra o gênero em seu novo livro ‘Troia/Canudos’ , que será lançado em agosto pela editora Laranja Original


“De onde vem a poesia?”, pergunta um anjo que está na Quarta das Dez Elegias, no capítulo Tahina Can, parte escrita em espanhol do livro plurilíngue “Troia/Canudos” (Editora Laranja  Original, R$ 58), que Jorge da Cunha Lima lança em agosto. A poesia responde: “Vem dos sentimentos. Essas pedras de carne e osso, que se encontram no caminho: do amor, da amizade e da solidão”. Hoje, 40 anos após sua última obra inédita, essa questão carrega a contribuição de autores que foram referência de uma vida para Cunha Lima: James Joyce, Homero, Kafka, Virgílio, Dante, Shakespeare, Camões, Drummond, Mann, Rilke, Borges. Todos surgem de alguma forma neste novo trabalho.

Na vida de Jorge da Cunha Lima, escrever e observar a história de forma atenta começou cedo, aos 13 anos, no Colégio de São Bento, em São Paulo. Mais tarde, já nos anos da abertura democrática, a política, partidária ou institucional, tomou-lhe o tempo da poesia. Cunha Lima foi resgatá-lo anos mais tarde, já na virada do século, escrevendo metodicamente e guardando tudo na memória de um notebook. Mas a obra ali contida, já pronta para ser editada, simplesmente evaporou, quando o equipamento foi furtado e jamais recuperado. Passado o choque da perda, ele a entendeu como parte do processo de retomada e estabeleceu uma rotina de “manhãs sabáticas”, como mesmo diz, em que diariamente se dedicou a escrever poesia com mais afinco do que antes.

Depois de pouco menos de dez anos – e agora com um prudente back-up –, o autor de ‘Mão de Obra’, ‘Ensaio Geral’, ‘Véspera de Aquarius’ e do romance ‘O jovem K ’ apresenta o resultado da retomada. “Troia Canudos” é, na verdade, uma trilogia. Além do conjunto de poemas que dá título ao livro, há mais duas partes distintas, “Tahina Khan” – uma sucessão de viagens poéticas, que fala do mundo e usa, para isso, quatro idiomas diferentes – e “Lições”, reflexões poéticas sobre o tempo, os afetos, o correr da vida. “A exemplo de obras anteriores deste poeta, tão veterano quanto atual, nesta o leitor vai se deleitar com alusões literárias não apenas a autores lusófonos, como Camões, Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Machado de Assis, Casimiro de Abreu, Euclides da Cunha, Carlos Drummond de Andrade, como também, a vários de língua estrangeira, desde Homero, Virgílio, Dante, Shakespeare até Goethe, Rimbaud, Proust, Joyce ou Lorca”, conta o professor e tradutor José Roberto O´Shea, da UFSC.

No prefácio de “Troia/Canudos”, o escritor e tradutor Reinaldo Moraes, autor de “Pornopopeia” e “Barata”, assinala que Cunha Lima imprime um “ritmo tão forte que você se pilha marcando a cadência dos versos com o pé, e uma erudição posta ao alcance da libido do leitor”. De fato, como lembra o poeta, o pensamento, a literatura e o sexo têm hora marcada no firmamento . “Em pensamento, podemos acreditar que Troia é Canudos, Príamo é Antônio Conselheiro, Jorginho é Homero, e eu, minha amiga, meu amigo, eu sou você, e todos temos hora marcada neste belo livro de poesia”, diz Moraes.

Serviço

Troia/Canudos (Editora Laranja Original)
Preço: R$ 58
Páginas: 444
ISBN: 9788592875091
Lançamento: 15 de agosto, das 18h30 às 21h30.
Local: Livraria Cultura – Conjunto Nacional | Avenida Paulista, 2.073 – Consolação | (11) 3170 – 4033.

SOBRE JORGE DA CUNHA LIMA

Jorge da Cunha Lima começou a escrever aos 13 anos. Ainda menino, era leitor voraz. Formou-se na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, casa de poetas, romancistas, jornalistas, homens públicos. Jorge foi tudo isso, exceto, talvez, advogado. Poeta, publicou “Ensaio Geral”, “Mão de Obra” e “Véspera de Aquarius”. Romancista, assina “O Jovem K”. Do jornalista e ensaísta, vieram “Cultura Pública” e a carreira de editor e redator em publicações como o jornal “Última Hora”, de Samuel Wainer, e a revista “Senhor”. Para aflição do escritor e futura gratidão de seus concidadãos, o homem público foi secretário de Cultura do Estado de São Paulo (governo Montoro), presidente da TV Gazeta — na qual introduziu inovações, como o repórter câmera, usado hoje, três décadas depois, pelo jornalismo das grandes redes — e presidente da TV Cultura.

SOBRE A EDITORA LARANJA ORIGINAL

A Editora Laranja Original nasceu de reuniões entre os escritores Filipe Moreau (também músico), Jayme Serva (também publicitário) e Miriam Homem de Mello (também fotógrafa). Inicialmente, estaria voltada não só à literatura, mas às diversas expressões de arte (em especial, a fotografia), pretendendo-se dar oportunidade a novos autores.

Depois de quatro publicações em parceria com outras editoras, partiu-se para a formalização com a entrada do produtor cultural (também fotógrafo) Gabriel Mayor e da escritora (também produtora) Clara Baccarin. Foi quando a editora ganhou corpo e dinâmica, passando a realmente alçar voo. Em poucos meses seguiu-se a entrada de mais uma escritora (e jornalista), Germana Zanettini, e de uma produtora (e administradora), Natane Abreu.

Em seu histórico inicial, dos primeiros dez livros, a editora já se identifica como especializada em poesia, e não à toa: quatro de seus editores são poetas. Mesmo com essa vocação e principal área de atuação, a Laranja Original tem em seu acervo outras formas de ficção literária e também alguns trabalhos acadêmicos (em especial, biografias).

Além dos livros, a editora também produz CDs, pois, desde o início, a música fez parte de seu escopo de trabalho (não só para os editores que começaram o grupo, mas, também, para os que entraram depois). Hoje, já há três CDs em seu catálogo, e outros estão por vir.

Em ambos os casos (livros e CDs), o material é produzido com esmero nos projetos gráficos, pois a editora tem como princípio a qualidade total do que produz. Entre os artistas gráficos que fazem projetos para a Laranja Original, há desde jovens reconhecidos no meio, como Flávia Castanheira, aos já historicamente consagrados, como Hélio de Almeida.

Serviço
www.laranjaoriginal.com.br

Posts Relacionados

Fabrício Zava lança videoclipe de “Vem” música de trabalho de Intersecções primeiro disco em Libras gratuito do Brasi

10º Festival de Cinema da Lapa . no Paraná

Giovanna Chaves divulga novo livro e viaja pelo Brasil com seus shows