OSMO , peça de Hilda Hilst – Reestreia dia 13 de janeiro em SP

Reestreia dia 13 de Janeiro na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Depois de circular por diversas cidades do país, espetáculo com texto de Hilda Hilst volta ao cartaz em São Paulo, em curta temporada, com ingressos gratuitos, estrelado por Donizeti Mazonas.

Um serial killer com pretensões literárias está mergulhado na difícil e intrincada tarefa de contar sua história, quando é interrompido pelo telefonema de uma amiga que o convida para dançar. Esse é o ponto de partida do espetáculo que teve seus primeiros acordes no projeto Contos Brasileiros, realizado pelo SESC Pompéia, em 2010, que consistia em leituras de contos de autores brasileiros para estudantes de escolas públicas de São Paulo. “Lemos o texto para uma plateia lotada de adolescentes, e na conversa que se seguiu à leitura, ficou evidente o grande impacto e empatia desta obra aguçando ainda mais o nosso desejo de adaptá-lo para o teatro”, conta Donizeti.

Estreou em março de 2014, no SESC Belenzinho dentro do projeto E se eu ficasse eterna?,  em homenagem aos dez anos sem Hilda Hilst.  Realizou sua segunda temporada no Instituto Cultural Capobianco durante os meses de julho e agosto, no SESC Ipiranga, em outubro e novembro de 2014. Em 2015 o espetáculo participou da Ocupação Hilda Hilst, no Instituto Itaú Cultural e circulou pelo interior do estado através dos programas Circuito Cultural e Proac – Circulação, da Secretaria de Estado de Cultura. Em 2016, circulou pelo estado do Paraná, através do Programa Petrobrás Distribuidora de Cultura 2015/2016 e foi contemplado com o Prêmio Zé Renato, da Secretaria Municipal de Cultura para circular pela cidade de São Paulo e realizar nova temporada do espetáculo.

Um dos contos do livro Fluxo-Floema (1970), OSMO ganhou adaptação de Susan Damasceno e Donizeti Mazonas. “O centro de nossa investigação está essencialmente ligado à palavra. Em Hilda, a palavra nada tem de literário, pois a palavra é corpo. Diante da força e complexidade de sua escrita, sentimo-nos desafiados a imergir nessa alquimia de instrumentos verbais e recriar os enigmas e imagens que brotam de sua literatura”, conta a diretora. “Hilda Hilst faz parte de nossas inquietações teatrais há muitos anos. Desde nossa estadia no Centro de Pesquisa Teatral – CPT, as cenas que construíamos para o projeto Prêt-à-Porter já tinham forte influência do universo literário desta autora. Em 2007 resolvemos adentrar definitivamente a escrita labiríntica de Hilda e levamos à cena A Obscena Senhora D, na qual eu atuava e o Donizeti dirigia”, complementa Susan.

Na montagem, Donizeti Mazonas é Osmo, um homem de meia idade, aparentemente sarcástico e amoral que vai pouco a pouco se revelando cada vez mais macabro. “Osmo é um anti-herói que busca compreender a dimensão da vida e da morte. Pensa unicamente em satisfazer os seus desejos, sem a interferência de uma moral que ponha freios aos seus instintos. Contudo ele busca em seus atos de horror a transcendência estética. Seu intento narrativo expõe tudo o que ele tem de humano, e isso implica percorrer os caminhos do bem e do mal”, explica o ator que tem se debruçado sobre a obra de Hilda já faz algum tempo. “Osmo foi o meu quarto trabalho a partir da obra dela. Em 2016, eu dirigi o espetáculo Floema, com dois atores que era uma adaptação minha da obra homônima da Hilda. Além do teatro, também fiz duas incursões através da dança: primeiro como diretor, de um pequeno conto chamado Teologia Natural e depois como dançarino, de uma novela chamada Rútilo Nada”, comenta Donizeti.

A encenação é pautada por uma cenografia sintética, com poucos elementos, onde a luz cria espaços e tempos da ação. Como toda a peça se desenrola dentro de uma banheira, uma vez que o personagem narra a sua história enquanto toma banho, a cenografia é constituída essencialmente por um cubo de acrílico, que faz às vezes dessa banheira. “A opção por este objeto em acrílico visa não somente à transparência, pois nele o corpo e a água podem ser vistos durante todo o tempo e em sua totalidade, mas essa transparência traz também inúmeros recursos de refração da luz, bem como de distorções do corpo”, diz Donizeti.

Um pouco mais atrás, na diagonal, um foco de luz ressalta a presença de uma mulher mais velha, cabelos vermelhos, olhos vazios, vestida apenas com uma combinação clara. A atriz Érica Knapp faz uma participação especial, sem dizer uma única palavra, mas presente durante todo o espetáculo.


Ficha Técnica:

Texto – Hilda Hilst

Direção, adaptação, figurinos e trilha sonora – Susan Damasceno

Concepção, adaptação, cenografia e interpretação – Donizeti Mazonas

Participação especial – Érica Knapp

Iluminação – Hernandes de Oliveira

Fotos – Keiny Andrade

Produção – MoviCena Produções Artísticas

Assessoria de Imprensa: Morente Forte

Realização – Núcleo Entretanto, da Cooperativa Paulista de Teatro


Oficina Cultural Oswald de Andrade(50 lugares)

Local: Teatro

Rua Três Rios 363 – Bom Retiro

Informações: (11) 3222.4683

Quinta e Sexta às 20h | Sábado às 18h 

Ingressos gratuitos

(retirar senha 1 hora antes) 

Duração: 70 minutos

Recomendação: 18 anos 

Reestreia dia 13 de Janeiro de 2017 

Temporada: até 11 de fevereiro

Posts Relacionados

Fabrício Zava lança videoclipe de “Vem” música de trabalho de Intersecções primeiro disco em Libras gratuito do Brasi

10º Festival de Cinema da Lapa . no Paraná

Giovanna Chaves divulga novo livro e viaja pelo Brasil com seus shows