Pela primeira vez, Brasil ultrapassa 302 mil estudantes no exterior, revela pesquisa da Belta

Estudo mostra aumento da demanda por outras línguas e por cursos de desenvolvimento profissional

O mercado brasileiro de educação internacional cresceu 23%, em 2017, e alcançou a marca inédita de 302 mil estudantes. Os números são da Pesquisa Selo Belta, divulgada hoje pela Associação Brasileira de Agências de Intercâmbio (Belta).

O investimento para um curso no exterior também aumentou 12%, atingindo a média de USD 9.989. No total, o brasileiro movimentou entre 2,7 e 3 bilhões de dólares em programas educacionais, no ano passado. “O mercado de intercâmbio cresceu tanto em volume como em receita porque o brasileiro começou a considerar opções mais diversificadas e apostou em se especializar profissionalmente”, explica Maura Leão, presidente da Belta.

A análise reflete alguns números da pesquisa. Pela primeira vez, os programas de mestrado e doutorado apareceram entre os 10 mais procurados, mesmo com a queda do investimento público em bolsas de estudo. A demanda por cursos de graduação e certificados profissionais também aumentou, ao mesmo tempo que programas de ensino médio perderam força.

Outras opções tradicionais mantiveram o fôlego: cursos de idiomas continuam sendo o programa mais realizado por brasileiros, seguidos por ensino com trabalho temporário e pacotes de férias para adolescentes, respectivamente.

Embora o inglês e o espanhol apareçam como as línguas mais procuradas, a pesquisa revelou uma maior desconcentração de mercado. Idiomas como alemão, francês, italiano e, até mesmo japonês e mandarim ganharam participação. “A pulverização do ano passado demonstra o novo padrão de consumo educacional. O brasileiro não se contenta apenas com uma segunda língua. O objetivo é se diferenciar, para entrar ou se manter no mercado de trabalho”, salienta a presidente da associação.

Entre os destinos mais procurados, o Canadá ficou na 1ª posição do ranking de países, sendo mencionado entre os 3 primeiros colocados em 98% das vezes em que foi citado pelas agências de intercâmbios. O país é acompanhado pelos Estados Unidos (2ª colocação), Reino Unido (3ª colocação), Austrália (4ª colocação) e Irlanda (5ª colocação). No total, 36 destinos apareceram como opções dos brasileiros.

A qualidade de vida do país é o principal motivo apontado pelos 6.151 estudantes que também responderam a pesquisa, em todo o país, mas questões de segurança, cotação da moeda e cultura local interferem na escolha.  O estudo está na terceira edição, cobre todo o território nacional e é realizado pelo grupo Mobilidade Acadêmica.

A Pesquisa Selo Belta 2018 conta com o patrocínio da Extenda – Agência Comercial da Província de Andaluzia/Espanha e da Education New Zealand. Já o evento do lançamento da Pesquisa Selo Belta 2018 tem o patrocínio do Banco Nacional do Canadá, Shorelight Education, EC – English Language Centres e o ICEF – Connect Recruit Grow, além do apoio do Consulado Geral do Canadá e da  CCBC – Câmara do Comércio Brasil-Canadá.

Sobre a Belta

Criada há 25 anos, a Belta – Associação das Agências Brasileiras de Intercâmbio – tem como objetivo ampliar o mercado de educação internacional no país. A Belta investiu na promoção do segmento e na qualidade e confiabilidade dos programas internacionais oferecidos por suas associadas. Atualmente, as agências especializadas Selo Belta representam 75% do mercado de educação internacional, e a Belta reúne 17 associadas colaboradoras que são associações internacionais de instituições de ensino de idiomas e de ensino médio, universidades e redes de escolas internacionais, assim como prestadores de serviços afins ao segmento tanto do exterior como nacionais. A qualidade dessas empresas é atestada pelo Selo Belta, oferecendo credibilidade no Brasil e no Exterior.

Posts Relacionados

​DOVE LANÇA 2ª ETAPA DO PROJETO PELA AUTOESTIMA EM PARCERIA COM CARTOON NETWORK

Debate sobre inserção do jovem no mercado de trabalho reúne representantes de presidenciáveis no Teatro CIEE

Jovem paciente do Boldrini recebe premiação na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas