Resgate de Rana tem 4 dias de adaptação e embarque será nesta 3ª

19 de dezembro de 2018 Atualidades
Resgate de Rana tem 4 dias de adaptação e embarque será nesta 3ª

Resgate de Rana tem 4 dias de adaptação e embarque será nesta 3ª

Viagem parte de Aracaju (SE) e passa pela Bahia e Goiás até chegar em MT

A diretoria do Santuário de Elefantes Brasil (SEB), único do gênero na América Latina, está em Aracaju (SE) para fazer o resgate da elefanta Rana até o Santuário em Chapada dos Guimarães (MT). A viagem deve durar de 3 a 4 dias para percorrer um trajeto de 2,7 mil km, aproximadamente. O roteiro corta quatro estados, saindo de Aracaju, em Sergipe, e passando pela Bahia e Goiás até chegar em Mato Grosso.

Rana foi doada pela Fazenda Boa Luz ao Santuário. Em breve, ela estará fazendo companhia a Maia e Guida, as duas primeiras residentes do SEB. O presidente e o diretor do Santuário, Scott Blais e Daniel Moura, respectivamente, estão em Aracaju desde a última quinta-feira (13) com uma equipe de veterinários e biólogos fazendo a adaptação de Rana à caixa de transporte.

O diretor Daniel Moura explica que todos os protocolos foram seguidos rigorosamente. “Só o Scott se comunica com a Rana e todos têm um enorme respeito às regras. Está dando super certo. Temos uma equipe enxuta, apoio de profissionais da Fazenda Boa Luz e, se necessário, o suporte de uma consultoria internacional representada por assessores do International Elephant Health com o veterinário indiano especialista em elefantes, Dr. Rinko Gohain”.

Rana vive desde 2012 no zoológico do hotel fazenda após uma vida inteira de adestramento forçado para exploração em espetáculos circenses. Sua história é cheia de lacunas. Ela teria viajado pelo mundo a maior parte de sua vida e chegado ao Brasil em 1967 com o circo Gran Bartolo para apresentações em Recife (PE). Desde então, segundo relatos, trabalhou em diversos circos como Moscou, Garcia, Tihany e até no Beto Carrero. No registro de entrada de Rana na fazenda Boa Luz, sua origem consta como do circo Estoril. Seu nome é anotado como Ranny, mas ela vem sendo chamada de Rana, grafia que foi adotada pelo SEB.

O contrato de doação entre a Fazenda Boa Luz e o SEB foi assinado em 13 de novembro pelo proprietário da fazenda, Marreco Fernandes, e o presidente do SEB, Scott Blais.

Resgate

A operação de resgate de Rana está dividida em quatro etapas. A primeira fase, deflagrada na última quinta, é a de Organização e Aclimatação. O container, ou caixa de transporte, foi colocado no local quatro dias antes do embarque para dar a Rana o tempo necessário para investigar e se aclimatar à estrutura.

Desde quinta, Rana está sendo alimentada dentro do contêiner, de onde pode entrar e sair livremente, por diversas vezes. Neste domingo (16), a caixa teve as portas fechadas pela primeira vez com Rana dentro e foi aberta em seguida. Essa adaptação de abrir e fechar as portas deve ser repetida várias vezes, conforme o protocolo de segurança, até o embarque no caminhão, previsto para esta terça (18).

Na segunda etapa, é feito o  Embarque Final, quando Rana será fechada dentro do contêiner pela última vez, alçada por um guindaste e colocada em segurança sobre o caminhão de transporte. O protocolo prevê que, mesmo após Rana ser embarcada, o contêiner possa novamente ser colocado no solo, para uma nova fase de adaptação.

O Transporte até o Santuário dos Elefantes é a terceira fase da operação. A etapa final é o Desembarque, quando o contêiner será removido do caminhão e Rana será solta dentro do Centro de Tratamento no SEB. A chegada ao local está prevista para o próximo sábado (22).

Doações

Você pode fazer a diferença e ajudar nos cuidados com Rana, Maia e Guida e ser um colaborador do Santuário. Toda a manutenção do projeto vem de doações e a contribuição pode ser feita de diversas maneiras. Acesse o link http://www.elefantesbrasil.org/doe/ e faça sua doação.

Acompanhe e compartilhe o trabalho do SEB nas redes sociais:
Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.