Sucesso de público e de crítica, ‘Brimas’ prorroga temporada no Rio de Janeiro

Sucesso de público e de crítica, ‘Brimas’  prorroga temporada até 14 de julho, no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea

Visto por quase 50 mil espectadores, espetáculo é baseado nas histórias das avós das atrizes Beth Zalcman, Simone Kalil. Com direção de Luiz Antônio Rocha, peça conquista a plateia ao tratar do tema da imigração com afeto, humor, emoção e cumplicidade

Há dois anos e meio em cartaz sem patrocínio, indicado ao Prêmio Shell de melhor texto e visto por quase 50 mil espectadores, o espetáculo ‘Brimas’ tem um segredo para o sucesso: é a alta dose de afeto, que está presente na história criada pelas atrizes Beth Zalcman e Simone Kalil, e na relação com o público, de troca, cumplicidade e até confissões. Com direção de Luiz Antônio Rocha, a peça, que está na sua 10ª temporada, agora no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, prorroga sua temporada até 14 de julho. As sessões são sempre aos sábados, às 19h.

A partir de fatos vividos por suas avós, Beth e Simone escreveram a peça para trazer ao palco as matriarcas Ester e Marion. Ambas saíram jovens de seus países de origem, Egito e Líbano respectivamente, e foram acolhidas no Brasil no início do século passado. As personagens, uma judia e a outra católica maronita, estabelecem uma relação de amizade, convivendo com tolerância e respeito, valorizando a riqueza da diversidade cultural e religiosa de cada uma.

“No final de 2015, fomos invadidos por imagens e notícias sobre os refugiados sírios, exatamente quando estreávamos ‘Brimas’, ressignificando nosso projeto. Tolerância, respeito, direitos, identidade, imigração, fronteiras, ganharam força com a realidade retratada pela mídia. Nossa peça, construída por memória afetiva e força cultural vinda das matriarcas Ester e Marion, foi fortalecida por esses ingredientes humanos e importantes para todos… os que ficam, os que vão, os que tem sua terra, os que são exilados”, explica a atriz e autora Simone Kalil.

Na peça, as imigrantes revivem suas histórias enquanto cozinham quibes para um velório. O riso, a saudade da família e as memórias do passado se misturam nessa história cheia de emoção e sabedoria. A peça reflete o Brasil que acolhe as diferentes culturas, misturando e unindo nacionalidades e crenças religiosas. É um contraponto à realidade atual em que tantos refugiados no mundo têm suas travessias interrompidas.

A montagem estreou em novembro de 2015 no Rio de Janeiro, recebendo indicação ao Prêmio Shell na categoria Melhor Texto. Desde então, já se passou por uma série de teatros no Rio e em São Paulo. A aceitação e identidade com a plateia foram imediatas em todas as temporadas. “É uma peça que tem muito humor, mas é profunda. Sobrevivemos sem patrocínio porque ‘Brimas’ comove as pessoas, faz com que elas pensem na própria história”, acrescenta o diretor Luiz Antônio Rocha.

Para a autora e atriz Beth Zalcman, falar de sua avó é falar de identidade construída pelo afeto, pelo cheiro e sabores da comida, pelos gestos, pela voz, pelas histórias vividas e sentidas. “Nesse trajeto, estabelecemos vínculos com comunidades de origens árabes e judaicas e ONGS que acolhem refugiados no Rio. Pudemos diversas vezes, ao final de uma sessão, contar com depoimentos de refugiados e historiadores, gerando conversas de altíssimo nível com a plateia e, assim, ampliando as possibilidades do espetáculo. “Brimas fala da possibilidade de encontros, de paz, independentemente de crenças, nesse momento contemporâneo de tanta intolerância”, conclui.

Ficha técnica:

Texto e atuação: Beth Zalcman e Simone Kalil

Direção: Luiz Antônio Rocha

Assistente de direção: Valéria Alencar

Cenário e adereços: Toninho Lôbo

Figurino: Claudia Goldbach

Iluminação cênica: Aurélio De Simoni

Preparação de elenco: Beth Zalcman

Direção de produção: Sandro Rabello

Realização: Mabruk Produções, Espaço Cênico, Mímica em Trânsito e Diga Sim! Produções

Serviço

Brimas

Temporada:  de 02 junho a 14 de julho

Teatro Clara Nunes: Rua Marquês de São Vicente, 52/Shopping da Gávea

Telefone: (21) 2274-9696

Dias e horários:  Sábados, às 19h.

Ingressos: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia).

Lotação: 743 pessoas

Duração: 1h10 minutos

Classificação indicativa: 10 anos.

Funcionamento da Bilheteria: Diariamente, das 13h às 21h.

Posts Relacionados

Grupo Tapa faz curta temporada no Teatro da USP

‘Dança se Move Ocupa’ traz um mês de ações culturais na Funarte SP

Banda SheRlock e a identidade do novo Rock nacional